Receita de Pão e Amor

0
2224

photo-2019-09-13-17-19-05_1

Hoje vivi uma experiência maravilhosa e inédita: dei a minha primeira aula de pão e poesia, dentro do meu Projeto Café, Pão e Texto.

A turma do último ano do CIEP de Bacaxá veio em pequeno número. Eram 15.

Quando chegaram eu já havia estendido um plástico transparente na mesa e todos os ingredientes já estavam em fila, esperando.

O que era necessário:
– Um bol grande de cerâmica
– Fermento seco em pó
– Sal
– Água fria.
– Azeite

Coloquei 2/3 de um quilo de farinha no bol, 2 pacotes de fermento para um quilo de farinha e mexi, depois coloquei o sal.

Abri um buraco na farinha, como se fosse um vulcão. Despejei o azeite neste buraco.

Uma aluna foi vertendo a água até unir todo a massa.

Depois da massa unida, forrei a mesa com farinha onde a despejei.

Todos os 15 alunos e a Professora Elaine estavam em volta da mesa.

Começamos a amassar o pão com a farinha restante para dar o ponto.

Cada aluno amassou um pouco.

Fizemos uma bola com a massa e deixamos descansar num bol . Cobrimos a massa com um plástico.

Amassamos outro pão, esse com cúrcuma na massa.

Depois que a massa cresceu, a afundamos com a mão. Quando cresceu novamente, forramos outra vez a mesa com farinha e abrimos a massa do primeiro pão e recheamos com línguiça e muzzarela.

O mesmo processo para o segundo pão, de cúrcuma, mas esse não recheamos.

Enquanto os pães assavam, contei para eles toda o caminho do livro até a sua publicação.

Depois li alguns poemas do Corpo e Amor, ed Gradiva.

Quando terminava de ler um poema, alguém falava do que sentiu. E pediam outro!

Falamos da diferença entre poesia e prosa.

Falamos de tudo! Machismo, violência, racismo, homofobia, preconceitos, amor, amizade.

Falamos da diferença entre erotismo e pornografia.

Falamos da desigualdade social no Brasil. E o que podem fazer para seguir adiante: ler, estudar.

Os pães saíram do forno: perfeitos, maravilhosos.

Foram comidos até a última migalha, com manteiga, requeijão, azeite, mel, tomate ralado.

Sucos e café com leite.

Eu hoje estava sozinha, sem a ajuda da Vanda e eles tiraram a mesa, lavaram a louça, foram incríveis e se sentiram em casa.

A minha emoção e amor por eles não tem medida.

Que todos os belos desejos que expressaram aqui na varanda, possam se realizar. Um jovem disse: “Quero um dia comprar uma casa para a minha mãe. É o que me move.”

É o meu desejo que seus desejos se realizem.

PS: Essa é a turma do último ano do
CIEP 258 AUTROGILDO PEREIRA.
TURMA 3001 INTEGRAL.
Este ano se formam em técnicos em administração com ênfase em empreendorismo.

Compartilhar

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here