Peru de Natal

0
232

Uma vez ao ano o encontro do Clube de Leitura da Casa Amarela acontece no sítio de dois leitores, na zona rural de Saquarema, na frente da lagoa, um lugar de indescritível beleza.
O primeiro encontro seria na nossa casa de onde saímos em caravana.
O caminho até lá já é absolutamente deslumbrante.
Ao chegar fui saudada ruidosamente por um peru, em homenagem ao conto do Mário de Andrade.
Os donos da casa avisaram: não parem os carros debaixo das mangueiras carregadas!
Fui de carona com a Adelaide Vidal, pois não temos carro e nunca soube dirigir.
Reencontrei Rafael Santana, que foi amigo do meu amigo Latuf, que ao partir para a Via Láctea com seus livros, me deixou órfã. Rafael Santana é professor titular da UFRJ de literatura e agora entrou para o Clube. Trouxe um pedaço do Latuf, que era seu orientador.
Máximo Tarantini, cineasta italiano que vive alguns meses em Saquarema, também é um novo membro do Clube, assim como Paulo Luiz Oliveira, que publicou o livro Tamoios, a presença dos índios na nossa região.
Começamos o encontro com o Conto de Natal do Dickens, numa discussão acalorada.
Cristiano Mota Mendes lembrou que no século XIX o ocultismo estava na moda, o que de certa moda explicaria a aparição do fantasma do sócio Marley.
Falou também da critica social que Dickens faz.
Norma Estrela falou de Cronos. Ronaldo falou que astroógicamente Scrooge era um saturniano.
Afinal todos concordamos que apesar de não sermos leitores do século XIX e às vezes o conto soar estranho aos nossos ouvidos, o que fica é a transformação de um ser humano, para que assim ajude a transformar uma sociedade tão cruel.
Passamos para o maravilhoso Peru de Natal do Mário.
Falamos da sua irreverência, de como o patriarcado ali se quebra e começa o reino feminino.
Rafael trouxe a lembrança das festas pagãs.
Fomos tão felizes nesse conto. Estávamos todos nessa mesa de pura alegria.
No Presente dos Magos de O.Henry, nos emocionamos com um amor tão singelo e verdadeiro.
Afinal os dois, despojados do que tinham de mais precioso materialmente falando,ficaram mais ricos, pois a consciência de terem um ao outro se fortaleceu.
No Natal na Barca falamos da barca de Caronte mas também da barca que leva ao novo, falamos da travessia, da fé, de milagres. É um conto forte e belíssimo esse da Lygia.
Natal na Terra das Neves nos levou a um lugar tão estranho para nós, tão inóspito. Nesse conto de Jack London, o Natal é a justiça. E a partida na escuridão rumo à luz.
Belo conto.
Na Missa do Galo as galinhas d’angola gritavam como loucas no jardim! saudando o conto.
Novamente a questão da mulher na sombra e como por alguns instantes aquela mulher se ilumina, transborda, seduz.
O conto é de um erotismo sutil e magnífico.
Muito se falou então de Machado e Mário de Andrade.
Para o conto Presepe, a surpresa:
Ronaldo tocou no violão uma canção feita para o conto e cantou junto com Ana. Ronaldo Mota nos prometeu vir sempre aos encontros daqui pra frente. Cantaram ainda junto com Cristiano duas músicas do espetáculo teatral Barquinho, pois tinham algo do espírito do Natal.
Felipe Lacerda leu um poema do Drummond. Eu li meu poema de Natal e Fernando leu um poema de Natal do Chico Peres.
Então fomos para a mesa que ninguém é de ferro.
Hélio e Fernando, nossos anfitriões, prepararam a mesa mais linda.
Fizemos nosso amigo oculto de livros e poemas.
Angela Maria Quintieri cantou com Ronaldo ao violão.
Todos do grupo trocamos juras de amor, pois já somos uma família ligada pela literatura.Antonio Antônio Cesar Alves, Fátima Fatima Alves, incansáveis em sua delicadeza, trazem muita alegria ao grupo.
E os ausentes Gilcilene Cardoso, Maria Clara, Leila Bialowas, Jose Augusto Messias, Izabella Coutinho estiveram o tempo todo presentes.
Teve bolo de aniversário para Felipe, Cristiano e para mim que faço anos dia 27.
E fomos felizes para sempre. Ganhamos livros maravilhosos. Lindas escolhas.

Compartilhar

Deixe uma resposta