Encontro do Clube de Leitura na Montanha

0
69

Nosso encontro marcado na montanha no último sábado, dia 26 de julho, para discutir os livros Amrik de Ana Miranda e Um bonde chamado Desejo de Tenessee Williams foi envolto em frio, neblina, fogo e emoção. Primeiro chegaram Hélio e Fernando e a lareira já estava montada. Quando chegaram todos, César, Fátima, Chico, Denise, Lenivaldo e Angela (Evelyn, minha irmã, já estava lá.) o clima era de tanto recolhimento, bem-estar, felicidade que a vontade que tínhamos era de parar o tempo. Evelyn destacou a escrita dançada de Amrik e muitos tiveram dificuldade com sua fragmentação, Fátima achou picotada demais. César navegou em suas águas com facilidade. Felipe começou o livro e não gostou e parou. A dança secreta foi avaliada: será que Amina tirou toda a sua roupa? Lenivaldo destacou a beleza do texto, sua poesia imensa e Hélio e Fernando a perfeita reconstrução histórica. Hélio também nos disse que era a história de qualquer imigrante. A dureza das viagens de navio, a chegada num país estranho, a saudade.Evelyn falou da sensualidade das comidas, dos temperos. Todos falamos da avó e da neta dançando no telhado. Fátima e Denise do espaço que a mulher podia ocupar naquela época, espaço tão restrito e da dança como porta para a liberdade. Todos dissemos o quanto Amina era livre. Lenivaldo e Hélio destacaram a beleza do personagem do tio cego que é o guia de Amina. Falou-se sobre o amor do tio, se seria incestuoso ou não. A maioria achou que não.

E o enigma: com quem ficaria Amina? Com Abraão, para quem Amina dançou a dança proibida, cujo casamento destruiu ou Chafic, o homem idealizado, o que existe e não existe?

Depois da discussão todos concordaram que o livro era belíssimo, acho que até quem não leu, como Angela, mulher de Lenivaldo ou Felipe, que não terminou.

Mas Felipe ressaltou que todos já eram leitores preparados para ler um livro fora da zona de conforto, com uma sintaxe diferente.

Pausa para o café. A lareira crepitava e uma chuvinha tornava a sala envidraçada ainda mais bela.
Então começamos a discutir Um Bonde Chamado Desejo. Felipe nos contou que foi sua primeira prova de teatro, que era seu autor preferido e nos explicou que as indicações supérfluas eram maravilhosas pois apesar de não entrarem em cena, guiavam os sentimentos do diretor. Os dois livros se tocam pois o tema, afinal é o desejo. Já começando pelo título, que na verdade era um bonde concreto que levou Blanche ao encontro da sua última destruição. Desenrolamos o livro como um maravilhoso pergaminho. César nos contou que era o primeiro livro com texto de teatro que lia e que ficou fascinado. Todos comentamos o quanto o final era duro, como era triste, ah, mas antes Felipe quase foi linchado, pois ao estilo Nelson Rodrigues disse que toda mulher gosta de um brutamontes como o Stanley! Discutimos se houve um estupro ou não e relemos o final para afirmar sim, houve, o foi o que acabou de fazer com que Blanche atravessasse o último fio que a separava da loucura. Denise, como psicóloga nos trouxe ótimas confirmações.

E deixamos marcado o próximo encontro para o dia 4 de outubro com o livro Xogum e alguns haicais japoneses ou não. Escolhi um livro daqueles, como disse o Fernando, que se atracam com o leitor, grudam em sua pele, imobilizam o leitor em sua trama.

E o grande prêmio do nosso encontro : um almoço no Babel Restaurante do meu filho André Murray, maravilha das maravilhas.

Compartilhar

Deixe uma resposta