Feijoada e poesia

0
851

roseana-cafe-03Cheguei de Teresópólis dia 8 no final da tarde. Vanda, minha caseira e parceira, já havia deixado a feijoada em pleno andamento. Logo chegaram minhas amigas, Carolina, editora da Rovelle e Monica. Carolina trouxe 40 livros para distribuir entre as crianças que no dia seguinte participariam do Pojeto Café, Pão e Texto.

Quando o ônibus (que se chamava Divino) encostou na calçada, na porta da minha casa, todos gritando de felicidade, eu estava a postos, de braços abertos para recebê-los. Eles falavam, ” olha a casa amarela” e quando viram o Juan, também na porta, gritavam “ele estava no livro!” É que leram o e-book A Bruxinha da Casa Amarela e estavam entrando dentro do livro. Perguntavam, “esse é o jardim que a bruxa cuida?”

Fomos todos para o jardim e fizeram a roda mais linda e colorida , sentados na grama. A ONG Care do Brasil, que trabalha com leitura em Duque de Caxias, trouxe agentes de leitura e deu o ônibus. Li para eles alguns poemas do meu novo original que sairá pela ed. Rovelle no ano que vem. Eles apresentaram poemas declamados lindamente, uma bela agente de leitura leu o livro Nana, mostrando suas ilustrações e Juan trouxe a Nana para ser apresentada. Ela entrou em pânico e fugiu para debaixo da cama do quarto .Os jabutis decididamente amam as Rodas de Leitura no jardim, pois não saiam de dentro da roda e as meninas gritavam e gritavam.

Carolina , da ed. Rovelle deu uma aula sobre edição de livros, foi maravilhoso. E distribuiu os belíssimos 40 livros que trouxe. Falamos sobre como a leitura abre para eles o mundo e a possibilidade de encontrarem seus caminhos.

Depois passamos para o almoço. Todas as crianças sentadas. As professoras serviam a comida diretamente do fogão de lenha. E nós e as professoras e o motorista e a Vanda e Juan e Chico que veio assistir, e o marido de uma professora sentamos em cadeiras com o prato no colo, pois não havia lugar nas mesas para todos , éramos mais de 50 pessoas!!!

Depois da sobremesa tivemos o terceiro momento: As crianças foram até a beira do mar. Alguns não conheciam o mar. Como no conto do Galeano, uma das crianças disse: ” é muito grande!”

Monica, minha amiga fotógrafa fotografava tudo o que podia. A alegria deles era tamanha que até o a luz brilhava mais.

Voltaram sujos de areia, transbordando de felicidade. Depois de lavar os pés, hora dos autógrafos em livros alheios, tive que autografar, e hora de mais fotos e da despedida . Tocou o telefone quando entrei em casa depois da partida do ônibus. Era meu filho e eu não conseguia falar de tanta emoção.

Compartilhar

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here